Quem conta um conto #12: Especial semana do Índio

Bom dia pessoal! Sei que estou devendo mais conteúdo para o blog, mas devido à faculdade tenho priorizado as matérias mais complicadas. Para compensar, essa semana está recheada de coisas legais que consegui encontrar para falar sobre o Dia do Índio, que acontece essa semana, dia 19 de Abril. Vamos começar com a resenha de um dos clássicos da nossa literatura?

Título da obra: O Guarani
Autor: José de Alencar
Ano de publicação: 1857 (290 páginas *dependendo da edição)
Sinopse: No cenário monumental e selvagem do Brasil  do século XVII, encontram-se Peri e Ceci para viver uma envolvente história de amor, neste romance indianista de José de Alencar. Expressão épica maior do nacionalismo romântico, O Guarani é essencial para a compreensão das origens da prosa de ficção em nosso país.

Resenha: a história que conta o amor entre o índio Peri e sua adorada Ceci é bem mais que isso. Há o preconceito não somente pelo lado dos caraíbas, mas entre os próprio guaranis. E a guerra entre esses dois povos é triste e real, porque infelizmente, o preconceito perdura até mesmo nos dias atuais.
Enquanto temos o casal protagonista mostrando a possibilidade de um amor sublime, temos a negação veemente dos parentes de Cecília e dos aimorés, ao quererem vingança pela morte de uma das jovens da tribo. Indo contra tudo que poderia se imaginar, Peri está disposto a ir lutar contra sua gente para defender a família da amada que, por sua vez, vê-se impossibilitada de agir de forma mais eficaz para impedir um massacre. 
Como citei, não é somente uma história de amor; tem ódio no meio. E esse contraste acaba por levar a uma reflexão inevitável: se naquela época a negação com o diferente existia, qual sua força para que ela consiga perdurar atualmente?  Como o antigo pode ser tão corriqueiro? E são em obras como essas que é possível compreender porque os autores clássicos ainda são estudados, exaltados. De certa forma, José de Alencar escrevia a realidade e previa o futuro. 
Aconselho muito, embora a escrita possa cansar alguns leitores. Porém, vale muito a pena conhecer um pouco do trabalho de um autor que exaltou tanto o que via por aqui  e desejar andar, mesmo que alguns instantes, na canoa de Peri e Ceci...

Aguardo vocês essa semana, seus lindos ;3

6 comentários:

  1. Oi meu amor! Tudo bom? Que saudades de você <3
    Amo quando histórias contam como o amor consegue superar as rivalidades tanto quanto raças, classes sociais, TUDO! Me lembrou até mesmo Romeu e Julieta, vai saber porque não é? Adorei principalmente pelo fato dos protagonistas serem Índios, acho que nunca li uma história assim, e como você disse, com um grande ensinamento e uma reflexão que necessitamos!

    PS. Te marquei em uma TAG super misteriosa sua linda! <3
    http://www.percepcoes.blog.br/2014/04/tag-qual-e-o-livro.html

    Beijos linda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi meu anjo! Eu sempre fico muito feliz em ver seus comentários por aqui! *--*

      É uma leitura cansativa, mas eu amei a história! A lição que a história nos passa é linda e a adaptação cinematográfica ficou muito bacana também, mas essa eu indico depois ;3

      Eu vi a tag e morri, omg, estou mais curiosa para saber qual é o livro do que qualquer outra coisa hauhuahauh

      Mil beijos!!

      Excluir
  2. Não consigo gostar muito da fase indianista de José de Alencar. Dele, prefiro livros como Senhora.
    Porém, adorei a sua resenha. E gostei também da sua iniciativa de homenagear o dia do índio.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de Abril

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! É sempre uma honra receber o Desbravadores no blog! *O*

      Acho essa fase do autor meio cansativa, mas gosto bastante! De qualquer forma, Senhora é um dos meus favoritos! *O*
      Obrigada pelo carinho, espero que goste dos outros posts! *-*

      Abraços!

      Excluir
  3. Ah, que vergonha… Nunca li O Guarani. Adorei sua resenha, flor. Fez-me incluir essa obra entre os livros que ainda lerei. Acho importante conhecermos nossa própria história, mesmo quando tão distante da nossa realidade pessoal. É nossa história porque ocorre aqui, nas nossas terras, entre o nosso povo.
    Espero curtir a leitura.

    Beijos!

    http://myqueenside.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu conheci O Guarani apenas nas épocas de Ensino Médio. Achei cansativo, mas muito bonito. Acho que a reflexão em cima da história e as lições que ela trouxe me fizeram amá-lo kk Espero que aprecie tanto quanto eu <3

      Beijos!

      Excluir